Wednesday, January 30, 2013

Five questions to Paddy Kingsland

Paddy Kingsland and the EMS Synthi 100 (the Delaware)

Patrick "Paddy" Kingsland was born in Hampshire (England) on January 30th, 1947. He took piano lessons in his youth and got his first guitar when he was 15. By this time he also built his own valve amplifier and began to play in a band in his school days. After attending Eggars Grammar School in Alton, Hampshire, Paddy joined the BBC. He was a technician there until, in 1970, he had the chance to join the BBC Radiophonic Workshop, the famous department that was responsible for providing the soundtrack and sound effects to BBC radio and TV shows. Paddy worked there for 11 years and created the music for many programs, including "The Changes", "The Hitch-hiker's Guide to the Galaxy" and several episodes of "Doctor Who"!

Even after leaving the BBC Radiophonic Workshop, in 1981, Paddy continued to provide music to some BBC programs, including the documentary series "Around the World in 80 Days" and "Pole to Pole" (both starring former Monty Python's actor Michael Palin). In 1982, Paddy decided to establish his own studios - PK Studios - which he manages since that time.

In 1973, BBC Records released the album "Forth Dimenson". Although it was credited to The BBC Radiophonic Workshop, "Fourth Dimension" is the first solo album released by Paddy Kingsland and includes tracks that he recorded from 1970 to 1973, using mainly the EMS synthesizers VCS3 and Synthi 100 (the Delaware). Paddy released two other great albums in the seventies, "Supercharged" and "Moogerama", and many more library music albums in the '80s and '90s, mainly on the KPM record label. Many tracks recorded by Paddy during the BBC Radiophonic Workshop days can be found in BBC Records compilation albums!

I heard about Paddy Kingsland's music for the first time during my researches on Delia Derbyshire, Daphne Oram and the BBC Radiophonic Workshop. In early January 2013 I contacted him (via the PK studios website) and he promptly replied my email! He is a very gentle man and the music he creates, since the BBC days, is awesome! Today is Paddy's 66th birthday, so to publish this interview today is very special to me! Happy birthday, Paddy, and thank you for the interview!!!

ASTRONAUTA - Paddy, what were your first steps in music and when did you decide to become a musician and composer? When and how did you become specifically interested in electronic music?

PADDY - I began playing the harmonica on the bus on the way to school with mixed reactions from the audience. Also the usual piano lessons until I got a second hand guitar when I was 15. I built a valve amplifier and soon we had a band after school playing instrumentals like 'Walk don't run' and later moved to Chuck Berry songs. When I was working at the BBC as a studio technician I used to experiment with tape loops and echo effects. I got the chance of a working at the Radiophonic Workshop for a week - I thought it was great and soon got to work there full time.

ASTRONAUTA - You worked at the BBC Radiophonic Workshop for 11 years (from 1970 to 1981). What were the equipment and instruments you had to create your music and sound effects during those days?

Paddy and the Arp Odyssey
PADDY - At that time the Workshop had 4 studios, each with a mono mixer and 4 tape machines. There were gadgets to make threading tape loops easier, and some machines had vari-speed, graduated in semi tones to make accurate pitching easier. There were laboratory style oscillators and some elegant looking perspex boxes containing a device to fade between sources mechanically from the inputs in sequence. Then there was a machine which was designed to prevent howl round in theatre PA systems. It did this by shifting the pitch of the audio by a few cycles. We used it to create phasing effects and much weirder sounds when drastically shifting the pitch. There was a tape machine with rotating heads which could change pitch while keeping the speed the same or alter duration while keeping the pitch the same - this was way before digital harmonizers etc. The first synthesizer arrived in 1970 - an EMS VCS3. It was great for learning about voltage control and making sounds, but no good for playing tunes on. The Arp Odyssey which came a bit later was much better for that.

ASTRONAUTA - Did you had the opportunity to work with Delia Derbyshire during the BBC Radiophonic Workshop years? And did you kept in contact with Delia after she left the BBC Radiophonic Workshop?

PADDY - Delia was there at that time, she was a lovely lady and I worked with her and Brian Hodgson a lot. Delia was an etherial presence at the workshop, creating bits of magic for all kinds of radio and TV productions.
Synthesizers made the process of making electronic music faster, so there was pressure to produce more quicker even if it wasn't necessary as good. Delia was unhappy about churning out tons of material after having years of freedom to spend as long as it took to create her pieces.
Add to that a few personal problems and, as happens to all of us, keen young people joining the Workshop with new ideas must have been hard for her.
It is a shame that she did not live to enjoy the huge respect for her work that has now become widespread.
I saw her now and again when she left the workshop - she was one of those people you could met after a year and carry on exactly where you left off. The last occasion was at my studio. She came with a friend of Daphne Oram who wanted to transfer a disc of some Daphne's work onto a CD. She was the same as ever but sadly I did not see her again after that.

ASTRONAUTA - Can you tell us a little bit of the recording process of your albums "Fourth Dimension" (1973), "Supercharged" (1974), "Moogerama" (1978) and the albums you've recorded for KPM Music Ltd.? Do you consider the idea of have those albums reissued some day?

John Baker and Paddy Kingsland
with the EMS Synthi 100 (the Delaware)
PADDY -"Fourth Dimension" was intended to be one side of me and the other of John Baker. John was ill and so I did both sides, re-working theme tunes which started out as 30 second pieces, such as "Colour Radio", "Fourth Dimension", "Scene and Heard", "Take another look". I played guitar and a bass a lot, there was a drummer and bass player on some tracks. I used a mixture of 8 track and 1/4 inch overdubbing. I used VCS3, Synthi 100 and Arp Odyssey plus my old Telecaster. There were 2 albums for EMI, "Supercharged" and "Swag". Before that there was a single called "Spinball" which was also recorded by jazz flute player Herbie Mann. They were both recorded at Abbey Road studios with session players. I overdubbed the synth parts and strings and brass were added later. We had some Arp synths and used a few tape loops, VCS3 effects on "Wobbulator Rock". The late Richard de Sylva and I worked together to make these albums.

"Moogerama" was a library album produced by Syd Dale for his company Amphonic Music, which is still around today. Again we recorded session players at Lansdowne studios and I wrote out parts for them including the synth parts. It was more of a conventional library album featuring synth than an electronic music project.

The KPM albums are still in use, I am happy to say and most of them feature conventional musicians recorded either in my studio or elsewhere.

ASTRONAUTA - You founded your own studios - PK Studios - in 1982, that's right? Do you still use analog synthesizers and/or effects in some of your productions at PK Studios? What were the changes in the equipment you use at PK Studios during these years?

PADDY - PK studios started in 1982. I thought it was time to branch out and work for a variety of clients. I ended up doing commercials, library music and corporate projects while also doing work for BBC TV and Radio. In the early years I also took on recording work to help pay the rent and get the place set up.
I wanted more space that at the workshop, and achieved that with a big control room and studio with enough room for 12 musicians.
My first setup was a 24 track Soundcraft machine with a Soundcraft mixer. A client spilt orange juice over the faders on the first session. I was using an Arp synth and later a Roland Jupiter 8. Next came AMS delays and reverbs also Roland vocoder, chorus, phaser, and flanger. A Linn drum machine arrived next. I got a Q lock synchronizer fairly soon, which allowed me to record to picture with a Umatic tape. This was very expensive at the time and quite stressful to use. But it was great to see things to picture right away, not in the dubbing theatre when it is too late. I used to hire the Emulator I for Dr. Who. Soon after that I got one of the first Otari 90 MTR90 24 track tape machine. This speeded up things a lot in the synch department - the old Soundcraft took ages to lock to picture. Emulators II and III followed, sampling and sequencing to picture. The next big step was Apple mac with Performer software and Professional Composer for notation. An early Digidesign two track recording system was fun but the Radar 24 track was my first proper disc recorder. Then came Protools and goodbye outboard gear, also Mac 5 etc etc, with all the sounds on the hard drive. It has come a long way. Still there is no music without first having ideas.

BBC Radiophonic Workshop Live
at the Roundhouse, London (May, 2009)

Cinco perguntas para Paddy Kingsland

Paddy Kingsland e o EMS Synthi 100 (o Delaware)

Patrick "Paddy" Kingsland nasceu no dia 30 de janeiro de 1947 em Hampshire, Inglaterra. Na adolescência ele teve aulas de piano e ganhou sua primeira guitarra aos 15 anos de idade. Nesta mesma época ele construiu seu próprio amplificador valvulado e começou a tocar com a banda do colégio onde estudava. Paddy frequentou a Eggars Grammar School, na cidade de Alton (Hampshire) e, terminados seus estudos, ele passou a trabalhar na BBC, primeiramente como técnico em eletrônica até que, em 1970, ele teve a oportunidade de juntar-se ao BBC Radiophonic Workshop, o famoso departamento responsável por produzir as trilhas e efeitos sonoros para programas de rádio e TV da BBC. Paddy trabalhou lá por 11 anos e criou músicas para vários programas, incluindo os seriados "The Changes", "The Hitchhiker's Guide to the Galaxy" e vários episódios de "Doctor Who"!

Mesmo depois de deixar o BBC Radiophonic Workshop em 1981, Paddy continuou a produzir música para alguns programas da BBC, inclusive para os documentários "Around the World in 80 Days" e "Pole to Pole" (ambos estrelados pelo ator Michael Palin, um dos fundadores do grupo Monty Python). Em 1982, Paddy decidiu montar seu próprio estúdio - PK Studios - que ele mantém até hoje.

Em 1973, a BBC Records lançou o álbum "Forth Dimension". Embora creditado ao BBC Radiophonic Workshop, o disco é o primeiro álbum solo lançado por Paddy Kingsland e inclui faixas gravadas por ele entre 1970 e 1973, utilizando proncipalmente os sintetizadores VCS3 e Synthi 100 (o Delaware), ambos fabricados pela EMS. Paddy lançou mais dois discos nos anos setenta, "Supercharged" e "Moogerama", e muitos outros álbuns de library music nos anos oitenta e noventa, principalmente pelo selo KPM. Muitas faixas gravadas por Paddy podem ser encontradas em coletâneas lançadas pela BBC Records!

Eu conheci e ouvi a música de Paddy Kingsland pela primeira vez durante minhas pesquisas sobre a Delia Derbyshire, a Daphne Oram e o BBC Radiophonic Workshop. No início de janeiro deste ano eu contatei ele (via o website do PK Studios) e prontamente tive meus emails respondidos por Paddy! Ele é um sujeito muito gentil e simpático e a música que ele cria, desde o tempo em que trabalhava na BBC, é supreendente! Hoje é aniversário de 66 anos de idade do Paddy, o que faz com que o fato de eu poder publicar esta entrevista nesta data seja muito especial! Feliz aniversário, Paddy, e muito obrigado pela entrevista!

ASTRONAUTA - Paddy, quais foram seus primeiros passos na música e quando você decidiu se tornar músico e compositor? Quando e como você passou a se interessar pela música eletrônica especificamente?

PADDY - Eu comecei tocando harmônica no ônibus, a caminho da escola, causando as mais variadas reações em quem escutava. Também tive as usuais aulas de piano até que eu ganhei uma guitarra usada, quando eu tinha 15 anos. Eu construí um amplificador valvulado e logo em seguida entrei numa banda da escola, onde tocavamos temas instrumentais como "Walk don't run" e, na sequência, mudamos para músicas do Chuck Berry. Quando eu trabalhava na BBC como técnico de estúdio eu costumava fazer experiências com tape loops e efeitos de eco. Eu tive a oportunidade de trabalhar no Radiophonic Workshop por uma semana - achei fabuloso e logo passei a trabalhar lá em tempo integral.

ASTRONAUTA - Você trabalhou no BBC Radiophonic Workshop por 11 anos (de 1970 a 1981). Quais eram os equipamentos e instrumentos que você tinha para criar suas músicas e efeitos sonoros naquela época?

Paddy com o Arp Odyssey
PADDY - Na época o Workshop tinha 4 estúdios, cada qual com um mixer mono e 4 gravadores de rolo. Existiam equipamentos que facilitavam o trabalho de lidar com os tapes loops e também algumas máquinas que permitiam variar a velocidade, mudando a afinação em semitons, para termos maior precisão. Haviam osciladores, daqueles tipo de laboratório, e uma bela caixa de acrílico, contendo um dispositivo que permitia selecionar, mecânica e sequencialmente, entre os sinais de entrada de áudio. Então existia um equipamento que tinha sido originalmente feito para prevenir ruidos no sistema de PA. Este equipamento fazia isso mudando a afinação em uns poucos ciclos. Nós usavamos isto para criar efeitos de fase e sons mais esquisitos ainda, mudando drásticamente a afinação. Existia também um gravador de fitas com cabeças rotatórias, que permitia mudar a afinação mantendo a velocidade da fita ou mesmo mudar a velocidade da fita mantendo a afinação - muito antes dos digital harmonizers, etc... O primeiro sintetizador chegou em 1970 - um EMS VCS3. Ele era bacana para aprender sobre controle de voltagem e gerar sons, mas não era legal para tocar músicas. O Arp Odyssey, que surgiu algum tempo depois, era bem melhor para isso.

ASTRONAUTA - Você chegou a ter a oportunidade de trabalhar com a Delia Derbyshire durate seu período no BBC Radiophonic Workshop? E você manteve contato com a Delia depois que ela deixou o BBC Radiophonic Workshop?

PADDY - Delia estava lá naquela época, ela era uma menina adorável e eu trabalhei bastante com ela e com Brian Hodgson. Delia era uma presença etérea no workshop, fazendo mágicas de todo o tipo para as produções de rádio e TV.
Os sintetizadores fizeram com que o processo de fazer música eletrônica ficasse muito mais rárpido, então tinha a pressão para produzirmos cada vez mais rápido, mesmo que não ficasse necessariamente bom. Delia ficava muito infeliz em ter que finalizar rápido toneladas de material, depois de tantos anos de liberdade para levar o tempo que precisasse para criar suas peças.
Some isso a alguns problemas pessoais e, como acontece com todos nós, pessoas jovens e bastante entusiasmadas chegando ao Workshop com novas idéias. Deve ter sido difícil para ela.
É uma pena que ela não tenha vivido para desfrutar do grande respeito pelo seu trabalho que existe hoje em dia.
Eu a vi uma ou outra vez depois que ela saiu do Workshop - ela era uma daquelas pessoas que você podia encontrar depois de anos e continuar exatamente de onde parou. A última ocasião foi no meu estúdio. Ela veio com um amigo da Daphne Oram, que queria transferir um disco com algumas músicas da Daphne para CD. Ela estava do mesmo jeito de sempre mas, infelizmente, não a vi mais depois disto.

ASTRONAUTA - Você poderia falar um pouco sobre o processo de gravação dos seus álbuns "Fourth Dimension" (1973), "Supercharged" (1974), "Moogerama" (1978) e sobre os discos que você gravou para a KPM Music Ltd.? Você pensa em relançar estes discos algum dia?

John Baker e Paddy Kingsland
com o EMS Synthi 100 (o Delaware)
PADDY - A intenção inicial era que "Fourth Dimension" tivesse um lado gravado por mim e outro lado por John Baker. John estava doente, então acabei gravando ambos os lados, refazendo temas que originalmente tinham apenas 30 segundos, como "Colour Radio", "Fourth Dimension", "Scene & Heard" e "Take Another Look". Eu gravei várias guitarras e contra-baixos, e tinha um baterista e um contra-baixista em algumas faixas. Eu usei um gravador de 8 pistas e 1/4 de polegada para fazer os overdubs. Eu utilizei o VCS3, o Synthi 100, o Arp Odyssey e também minha velha guitarra Telecaster. Tiveram mais 2 discos para a EMI, "Supercharged" e "Swag". Antes disso teve um single chamado "Spinball", que também foi gravado pelo flautista de jazz Herbie Mann. Ambos foram gravados nos estúdios Abbey Road, com músicos contratados. Eu gravei posteriormente as partes de sintetizador e as cordas e metais também foram adicionadas mais adiante. Nós colocamos alguns sintetizadores Arp e usamos alguns tape loops e efeitos de VCS3 na faixa "Wobbulator Rock". O falecido Richard de Sylva e eu trabalhamos juntos para fazer estas gravações.

"Moogerama" era um disco de library music, produzido por Syd Dale para a Amphonic Music, sua empresa que ainda está na ativa hoje em dia. Novamente gravamos com músicos contratados, nos estúdios Lansdowne e eu escrevi as partituras para eles, incluindo as partes de sintetizadores. Foi mais um disco de library music convencional do que um projeto de música eletrônica propriamente dito.

Os discos pela KPM ainda são utilizados hoje em dia, fico feliz em dizer, e a maioria deles foi gravado com músicos convencionais, tanto no meu estúdio quanto em outros locais.

ASTRONAUTA - Você fundou seu próprio estúdio - PK Studios - em 1982, certo? Você ainda utiliza sintetizadores e/ou efeitos analógicos em algumas de suas produções no PK Studios? Quais foram as mudanças nos equipamentos que você utiliza no PK Studios durantes todos estes anos?

PADDY - Fundei o PK Studios em 1982. Eu achei que estava na hora de sair e trabalhar com uma variedade maior de clientes. Eu acabei gravando comerciais, library music e projetos corporativos, enquanto ainda trabalhava para a BBC. Nos primeiros anos eu também acabei pegando trabalhos de gravação para ajudar a pagar o aluguel e estabelecer o local.
Eu queria mais espaço do que o que eu tinha no Workshop, e consegui isto montando uma sala de controle e um estúdio grandes o bastante para comportar 12 músicos.
Meu primeiro setup era um gravador Soundcraft de 24 pistas, com um mixer Soundcraft. Um cliente derramou suco de laranja sobre os faders na primeira sessão de gravação. Eu utilizava um sintetizador Arp e depois passei para um Roland Jupiter 8. Depois vieram o delays e o reverber da AMS e também o vocoder, o chorus, o phaser e o flanger da Roland. Uma bateria eletrônica Linn Drum chegou na sequência. Eu consegui um sincronizador Q lock logo em seguida, que me permitiu gravar direto em filmes com um gravador Umatic. Este equipamento era muito caro na época e muito complicado de utilizar. Mas era bacana demais poder gravar direto no filme e não ter que gravar posteriormente, quando já podia ser tarde demais. Eu costumava utilizar um Emulator I para o "Doctor Who". Logo depois eu consegui um dos primeiros gravadores Otari 90 MTR90 de 24 pistas. Isto agilizou bastate as coisas no que diz respeito á sincronia - o velho gravador Soundcraft demorava muito para sincronizar com o filme. Os Emulators II e III vieram a seguir, permitindo samplear e sequenciar com as filmagens. O próximo grande passo foi adquirir um Mac da Apple, com o software Performer e o Professional Composer, para registrar as partituras. Um dos primeiros gravadores de dois canais da Digidesign era divertido, mas o Radar de 24 pistas foi meu primeiro gravador em disco rígido propriamente dito. Então veio o Protools e adeus equipamentos externos e também o Mac 5, com todos os sons no disco rígido. Mas, como se sabe, não existe música sem antes existirem as idéias.

BBC Radiophonic Workshop Live
at the Roundhouse, London (May, 2009)