Wednesday, April 30, 2014

Interview with Ron Geesin

Composer, performer, sound architect, interactive designer, broadcaster, writer and lecturer Ronald Frederick Geesin was born in Stevenston, a town in Ayrshire, Scotland, on December 17th, 1943. Music got into Ron's life in his childhood days, in the form of a chromatic harmonica. By age 15 he discovered the jazz and begun to play the banjo, but soon he moved to the piano - learning the instrument by himself, in an self-taught way, listening to some of the jazz giants on his gramophone. By the age 17, Ron Geesin joined his first professional band, the Original Downtown Syncopators. With the Original Downtown Syncopators, Ron recorded and toured from 1961 to 1965.

In the mid-60s, Ron Geesin discovered the tape recorder as a sound manipulator and an interesting medium for him to express his thoughts and music. In 1966, he recorded 'A Raise Of Eyebrows', his first full-length solo album, recoded entirely by him at his own home-studio, located in his apartment in Notting Hill, London. The album was released in 1967 as the first stereo release from Transatlantic Records. During this time, Ron also created music for films, TV and radio.

In 1970 Ron Geesin was asked to compose and record the soundtrack to 'The Body', a scientific documentary film directed by Roy Battersby. 'Music From The Body' was recorded in collaboration with Pink Floyd's bassist Roger Waters. Also in 1970, Ron was asked to co-compose and arrange the brass, choir and cello parts of 'Atom Heart Mother', the epic suite from the album of the same name, that was Pink Floyd's first number one LP in the UK. Ron recently published a book called 'The Flaming Cow', in which he tells stories and explains his contribution to 'Atom Heart Mother'.

In the early seventies, Ron established one of the first one-man record companies, Headscope, releasing many good solo albums like 'As He Stands' (1973), 'Patruns' (1975), and 'Right Through' (1977), all of those albums recorded at Ron's home-studio. Before that, in 1972, a library album called 'Electrosound' was recorded by Ron - also at his home-studio - and released by the famous library music record company KPM. His most recent release is the album 'RonCycle1: the journey of a melody" and you can buy it - and many more Ron Geesin albums and books, including 'The Flaming Cow' - via Headscope's website:

I've contacted Ron Geesin via email, through his website. A very gentle man, Ron kindly agreed in answering some questions to this interview. I'm very grateful and hope I have the opportunity to meet him someday! Thank you, Ron! Here's the interview:

ASTRONAUTA - Ron, what were your first musical steps, first instruments and early musical influences?

RON GEESIN - I got a chromatic mouthorgan (harmonica) when I was about 10 years old and followed the American exponent Larry Adler in playing everything from Gershwin to Bach. By the age 15, I got more interested in 'traditional' jazz. (There was a revival period in Britain of this music: here, it was called 'Trad'.) So I got a long neck banjo for my 15th birthday, after having made a banjo-shaped instrument out of wood and plywood with the frets made from cut wire and 'sellotaped' on. After following some of the 'Trad' bands in Britain, mainly Chris Barber, I soon discovered where they were getting this music from (what I call 'classical' jazz) and, by age 16, I was collecting reissue records (some 78rpm, some microgroove) of the great Afro-American originators: King Oliver, Louis Armstrong Hot 5 & 7, Jelly Roll Morton Red Hot Peppers, Bessie Smith, Bennie Moten, etc. and continuing to practise the banjo while sitting on the toilet when I should have been revising for school exams! At about 16 1/2 years old, I started teaching myself the piano, playing the blues with three fingers on each hand. Other fingers uncurled until I was playing with 5 on the left hand, but only 4 on the right. At age 17 1/2, I met a jazzband called the Original Downtown Syncopators near my home in Scotland who were touring from the south of England. After one week, I joined it.
So I was a professional pianist after having played the instrument for just one year.

ASTRONAUTA - How and when did you become interested in electronic musical equipment? And when did you build your own studio? What were the very first equipment you had to record and manipulate sounds in your studio?

RON GEESIN - While I was with the Original Downtown Syncopators, I did some arranging for it which meant learning some things about writing music. I was also listening to some classical composers. At age 21, when I was about to leave the band, I crossed over suddenly from posing about in ancient clothes and embracing horn (acoustic) gramophones to embracing the medium of magnetic tape. I think this had being lying latent in me and just suddenly burst out. I could see that this new medium would allow me to 'paint with sound': I had painted in a surreal manner before leaving home at 17 1/2. My 'studio' was simply the main room in our damp basement flat in London's famous, most colourful, area known as Notting Hill. When I wanted to record something through a microphone, my textile designer wife had to stop rustling her tracing paper! My first tape recorder was a (British) Ferrograph, built like a German tank. Then I got another, but these were not very good quality machines. When the Swiss Revox came out, I changed over and soon had three G36.

ASTRONAUTA - In 1967 you released "A Raise Of Eyebrows". How it was created and recorded that album? And what were the techniques you used to record your electronic compositions and soundtracks?

RON GEESIN - The first move was to visualise an idea for each piece/composition. The next move was to work out how to make real ('realise') that visualisation in sound, in the knowledge of what equipment I had or could get; and there was as much improvisation in wiring up the equipment as there was in the more musical pieces. This album was Transatlantic's first stereo one - and I did not even have a stereo mixer. I improvised! Also, I got a switch box made up to start all my Revox tape recorders on one button. This was to record synchronously on more than two tracks: these machines stayed in relative sync for up to 4 minutes. I used: speed-changing on tape; fine editing; backwards playing; feedback using old aeroplane 'throat' (communication) mics (contact mics); noises from radio; just about anything that I could wire up.

ASTRONAUTA - In 1970 you collaborated on the composition and arrangements of Atom Heart Mother, the epic suite that occupies side A of Pink Floyd's album of the same name. That album was a kind of a watershed in Pink Floyd's career, being their first album to reach number 1 in the UK. How do you see that album within your own career and discography?

RON GEESIN - My work for this, composing all the brass, choir and cello on Pink Floyd's backing track, was a piece of good crafting: weaving evocative, teasing and exciting material in and out of a rather plain cloth. I do not consider it as a great composition. I have done much better pieces that have not been heard by many people.

ASTRONAUTA - Your stories about making of "Atom Heart Mother" are told in your book "Flaming Cow", published in 2013. But how about the other collaboration between you and Roger Waters, the soundtrack "Music From The Body", also released in 1970? How it was created and recorded?

RON GEESIN - "THE Flaming Cow!" For the film 'The Body', I was asked to do the music and also asked if I wrote songs. "Certainly not," I replied, "but I know a man who does." So Roger Waters did the songs and I did the other music and atmospheres. We worked separately through February and March 1970. After 'Atom Heart Mother' was finished, we worked on the EMI album 'Music From The Body'. Roger re-recorded his songs, my pieces were the same as for the film, then we added some new pieces 'Our Song' and ' Body Transport'. It was Roger's idea to cross-mix the sections, rather like going on one journey through the body and discovering many contrasting chambers.

ASTRONAUTA - How did the changes in audio technology affected you and your music, in all those years? Do you still have (and use) some of the equipment you used in the '60s and '70s?

RON GEESIN - Yes, I still have some of the old equipment, but I don't consider that to be important. The IDEA is everything, and can be realised in many different ways. The changes in audio technology, mainly sampling and digital manipulation, have given a wider 'palette' from which to paint my sounds, but they don't choose the IDEA. The main influencing factor through the years has been the need to earn a living while remaining reasonably independent. This has meant working for radio, film and TV, offering me public exposure at the expense of my truer and more radical ideas.

ASTRONAUTA - And how about your recent works? Are you planning or recording a new album? And the next concerts? You should come to São Paulo, it would be nice to have you playing and lecturing here!

RON GEESIN - The last work on CD was 'RonCycle1: the journey of a melody' which was nearly impossible to complete because of its complexity. The next planned one will be 'RonCycle2: the journey of a rhythm' and I have many notes about this, but I have no idea if it will ever be completed. At the moment, through the rest of 2014, I am: composing an octophonic work using only the songs of blackbirds to be performed in a gallery on the South coast of England (the De La Warr Pavilion, Bexhill-on-sea) through October and November, and; finishing a book called "Adjustability: a history and analysis of the adjustable spanner in the UK, 1750-1960'. A concert is unlikely due to osteo-arthritis in my left hand.

Ron Geesin's website:

Entrevista com Ron Geesin

O compositor, performer, arquiteto sonoro, designer interativo, radialista, escritor e palestrante escocês Ronald Frederick Geesin nasceu na cidade de Stevenson, em Ayrshire (Escócia), no dia 17 de dezembro de 1943. A música surgiu na vida de Ron ainda na infância, na forma de uma harmônica cromática. Aos 15 anos de idade ele descobriu o jazz e começou a tocar banjo, mudando para o piano em seguida, aprendendo o instrumento de forma auto-didata, ouvindo alguns dos gigantes do jazz no seu gramofone. Aos 17 anos, Ron Geesin juntou-se à sua primeira banda profissional, Original Downtown Syncopators. Com a banda, Ron gravou e saiu em turnês entre 1961 e 1964.

Na metade dos anos 60, Ron descobriu o gravador de fitas magnéticas como um ótimo meio para manipular os sons e uma mídia interessante para expressar seus pensamentos e música. Em 1966 ele gravou "A Raise Of Eyebrows", seu primeiro álbum solo, executado integralmente por ele no seu estúdio caseiro, que ficava dentro do seu apartamento em Notting Hill, Londres. O disco foi lançado em 1967 pela Transatlantic Records, sendo o primeiro lançamento em stereo do selo. Neste período ele também trabalhou com trilhas para programas de rádio e TV.

Ron Geesin foi convidado para compor e gravar a trilha sonora de 'The Body', documentário científico dirigido por Roy Battersby, em 1970. Esta trilha foi fruto da colaboração entre Ron e o baixista do Pink Floyd, Roger Waters. Também em 1970, Ron foi convidado para colaborar como compositor e arranjador das partes de sopro, coral e violoncelo em 'Atom Heart Mother', a suíte épica que ocupa todo o primeiro lado do disco de mesmo nome, do Pink Floyd. 'Atom Heart Mother' foi o primeiro álbum do Pink Floyd a alcançar o número 1 nas paradas inglesas. Ron recentemente publicou um livro chamado 'The Flaming Cow', onde ele conta histórias sobre a gravação e sua contribuição para 'Atom Heart Mother'.

No início dos anos 70, ele estabeleceu uma das primeiras gravadoras de um homem só, Headscope, lançando vários discos solo legais, como 'As He Stands' (1973), 'Patruns' (1975) e 'Right Through' (1977), todos estes gravados no estúdio caseiro de Ron. Antes disto, em 1972, um disco de library music chamado 'Electrosound' foi gravado por Ron, também no seu home-studio, e lançado pelo famoso selo de library music KPM. Seu lançamento mais recente é o CD 'RonCycle1: the journey of a melody', e você pode adquirir este disco - assim como vários outros álbuns e livros do Ron Geesin, incluindo 'The Flaming Cow' - através do website da Headscope:

Eu contatei o Ron Geesin pela primeira vez via email, através do seu website pessoal. Uma pessoa muito agradável, Ron gentilmente aceitou responder algumas perguntas para esta entrevista. Sou muito grato e espero ter a oportunidade de encontra-lo pessoalmente algum dia. Obrigado, Ron! Aqui está a entrevista:

ASTRONAUTA - Ron, quais foram seus passos iniciais no mundo da música? E seus primeiros instrumentos e influências musicais?

RON GEESIN - Eu ganhei uma harmônica cromática quando eu tinha cerca de 10 anos de idade, e seguia os passos do expoente norte-americano Larry Adler, executando todo o tipo de música, de Gershwin a Bach. Aos 15 anos de idade, mais ou menos, eu passei a me interessar pelo jazz 'tradicional'. (Havia um revival deste tipo de música na Grã-Bretanha, no período. Aqui nós chamavamos este estilo de 'Trad'.) Então eu ganhei um banjo de escala longa no meu aniversário de 15 anos, depois de ter construido um instrumento que lembrava um banjo, feito de madeira e compensado, com os trastes feitos de arame e colados com fita adesiva. Depois de seguir com algumas bandas de 'Trad' jazz na Grã-Bretanha, principalmente Chris Barber, eu logo descobri de onde eles tiravam sua música (o que eu chamo de jazz 'clássico') e, aos 16 anos de idade, eu estava colecionando relançamentos em discos (alguns 78 rotações e alguns LPs) dos pioneiros Afro-Americanos: King Oliver, Louis Armstrong Hot 5 & 7, Jelly Roll Morton Red Hot Peppers, Bessie Smith, Bennie Moten, etc. E eu continuava a praticar no banjo, sentado no banheiro quando eu deveria estar revisando as matérias para os exames escolares! Por volta dos 16 anos e meio, eu comecei a praticar piano por conta própria, tocando blues com três dedos de cada mão. Os outros dedos ficavam dobrados, até que eu consegui tocar com 5 dedos na mão esquerda, mas apenas 4 na mão direita. Aos 17 anos e meio, eu conheci uma banda de jazz chamada Original Downtown Syncopators, perto da minha casa. Eles estavam em tour pelo sul da Inglaterra. Depois de uma semana, eu me juntei à banda. Então, eu já era um pianista profissional, mesmo tendo apenas um ano de prática no instrumento.

ASTRONAUTA - Como e quando você se interessou por equipamentos e instrumentos musicais eletrônicos? E quando você construiu seu próprio estúdio? Quais eram os equipamentos que você tinha para gravar e manipular os sons no seu estúdio, na época?

RON GEESIN - Enquanto eu ainda estava com a banda Original Downtown Syncopators, eu fiz alguns arranjos para eles, o que significava aprender algumas coisas sobre notação musical. Eu também ouvia alguns compositores clássicos. Aos 21 anos de idade, quando eu estava para deixar a banda, eu me transformei de um cara que andava com roupas antigas e preferia os gramofones (acústicos) para um cara que adotou as fitas magnéticas. Eu acho que isto já estava adormecido dentro de mim e, de repente, aflorou. Eu vi que esta nova mídia me permitiria 'pintar com os sons': eu já havia pintado, mas de uma maneira mais surreal, antes de sair de casa, aos 17 anos e meio. Meu 'estúdio' era simplesmente a sala de estar do nosso úmido apartamento no subsolo, na famosa e mais colorida área em Londres, conhecida como Notting Hill. Quando eu queria gravar algo utilizando um microfone, minha esposa - que era desinger desinger de moda - tinha que parar de riscar no seu papel vegetal! Meu primeiro gravador de fitas foi um Ferrograph (britânico), construído com a solidez de um tanque alemão. Então eu consegui outro, mas não era uma máquina de qualidade tão boa. Quando a fábrica suiça Revox apareceu, eu troquei meus gravadores e logo estava com três G36.

ASTRONAUTA - Em 1967, você lançou o álbum"A Raise Of Eyebrows". Como este disco foi criado e como foi seu processo de gravação? E quais foram as técnicas que você utilizava para gravar e manipular suas composições eletrônicas e trilhas sonoras? 

RON GEESIN - O primeiro passo era visualizar uma idéia para cada peça/composição. Então o passo seguinte era trabalhar para tornar real ('realizar') o que eu havia visualizado em termos de som, conhecendo o equipamento que eu tinha e o que eu poderia fazer; e então tinha muito improviso, tanto quando eu ligava e conectava o equipamento quanto na parte musical propriamente dita. Este álbum foi o primeiro em stereo da gravadora Transatlantic - e eu não tinha um mixer stereo. Tive que improvisar! Eu também tinha uma caixa com interruptores, com os quais eu colocava para tocar todos os meus Revox ao mesmo tempo, apertando apenas um botão. Isto servia para gravar em sincronia em mais de dois canais: os gravadores permaneciam relativamente em sincronia por até 4 minutos. Eu utilizava as técnicas de mudança de velocidade na fita; edição; tocava a fita ao contrário; ligava comunicadores antigos de aeronaves (microfones de contato); ruídos de rádio; enfim, quase tudo que eu conseguisse ligar nos gravadores.

ASTRONAUTA - Em 1970, você colaborou na composição e nos arranjos de 'Atom Heart Mother', a suíte épica que ocupa todo o lado A do álbum de mesmo nome, do Pink Floyd. Este álbum foi uma espécie de divisor de águas na carreira do Pink Floyd, sendo seu primeiro disco da banda a alcançar o número 1 nas paradas inglesas. Como você vê esta colaboração dentro da sua própria carreira e discografia? 

RON GEESIN - Meu trabalho nesta faixa, compondo todos os sopros, corais e violoncelos, foi como uma ótima peça artesanal: um material intrincado, evocativo, provocativo e excitante, tudo isso colocado em um tecido bem simples. Eu não a considero uma grande composição. Eu tenho feito peças muito melhores, só que não são escutadas por muitas pessoas.

ASTRONAUTA - Suas histórias sobre o making of de 'Atom Heart Mother' são contadas no livro 'Flaming Cow', publicado em 2013. Mas quanto a outra colaboração sua com o Roger Waters, na trilha sonora ' Music From The Body', também lançada em 1970? Como ela foi criada e gravada?

RON GEESIN - 'THE Flaming Cow!' Para o filme 'The Body', eu fui chamado para fazer a música e então me perguntaram se eu escrevia canções. "Certamente não", eu respondi, "mas conheço um cara que escreve." Então Roger Waters fez as canções e eu fiz as músicas e atmosferas. Nós trabalhamos separadamente entre Fevereiro e Março de 1970. Depois da finalização de 'Atom Heart Mother', nós passamos a trabalhar no álbum 'Music From The Body", da gravadora EMI. Roger regravou suas canções, minhas peças foram as mesmas utilizadas no filme, e então nós adicionamos algumas novas faixas, 'Our Song' e 'Body Transport'. Foi idéia do Roger emendarmos uma faixa na outra, como se alguém estivesse numa jornada pelo corpo humano e descobrisse várias câmaras diferentes.

ASTRONAUTA - Como as mudanças tecnologicas afetaram você e sua música, em todos estes anos de carreira? Você aínda tem (e usa) alguns dos equipamentos que você usava nos anos 60 e 70?

RON GEESIN - Sim, eu ainda tenho alguns dos velhos equipamentos, mas eu não considero isto importante. A idéia é tudo, e pode ser realizada de várias maneiras. As mudanças tecnologicas no áudio, principalmente o sampler e a manipulação digital, ampliaram muito a 'paleta' com a qual eu pinto meus sons, mas eles não mudam a idéia. O fator que mais influenciou e influencia em todos estes anos é a necessidade de ganhar dinheiro para sobreviver, permanecendo razoavelmente independente. Isto significa trabalhar com rádio, filmes, TV, que me oferecem exposição pública enquanto consigo manter minhas idéias radicais e verdadeiras.

ASTRONAUTA - E quanto aos seus trabalhos recentes? Você está planejando ou gravando algum álbum novo? E quanto a concertos? Você deveria vir a São Paulo, seria bacana se você viesse para tocar e palestrar aqui!

RON GEESIN - Meu trabalho mais recente em CD foi 'RonCycle1: the journey of a melody', que foi quase impossível de finalizar devido à sua complexidade. O próximo CD planejado será 'RonCycle2: the journey of a rhythm', e eu já tenho várias anotações feitas, mas ainda não tenho nem idéia se conseguirei completar este disco. No momento, até o final de 2014, eu estou compondo um trabalho octofônico utilizando o canto dos blackbirds, para ser apresentado em uma galeria na costa sul da Inglaterra (no pavilhão De La Warr, em Bexhill-on-sea) em Outubro e Novembro. Estou também finalizando um livro chamado 'Adjustability: a history and analysis of the adjustable spanner in the UK, 1750-1960'. Um concerto está fora de cogitação, por causa da osteoartrite na minha mão esquerda.

Site oficial do Ron Geesin: